Você está visualizando atualmente Inflação no Brasil Desacelera para 0,21% em Outubro, aponta IPCA
Inflação no Brasil Desacelera para 0,21% em Outubro, aponta IPCA

Inflação no Brasil Desacelera para 0,21% em Outubro, aponta IPCA

Nesta quinta-feira, 26 de outubro, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou os dados referentes à prévia da inflação oficial do Brasil, que apontam para uma desaceleração significativa. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,21% em outubro, marcando uma queda em relação aos 0,35% apurados no mês anterior.

Cenário Atual

Com essa variação, o IPCA-15 acumula alta de 5,05% nos últimos 12 meses, mantendo-se acima da meta perseguida pelo governo, que é de 4,75%. No acumulado do ano, a variação da inflação é de 3,96%.

Os dados revelam que o resultado do IPCA-15 em outubro foi fortemente influenciado pelo aumento nos preços das passagens aéreas, que subiram expressivos 23,75%. No entanto, houve uma queda nos preços dos combustíveis, com recuos de 0,56% na gasolina, 0,27% no etanol e 0,27% no gás veicular. O óleo diesel, por sua vez, teve um aumento de 1,55%. Dentre os componentes do grupo de transportes, somente o táxi teve uma leve alta de 0,31%, motivada por um reajuste de 200% em Porto Alegre, onde o índice atingiu 3,59%.

O grupo de habitação também registrou um aumento de 0,26% nos preços, com destaque para o gás de botijão, que teve alta de 1,24%, e o aluguel residencial, com 0,29% de aumento. A energia elétrica residencial, por outro lado, teve uma queda de 0,07%.

Na categoria de saúde e cuidados pessoais, houve uma variação de 0,28%, sendo o subitem plano de saúde o principal responsável, com uma alta de 0,77%. Os artigos de higiene pessoal também subiram, com 0,05% de variação, impulsionados pelas altas nos perfumes (1,24%) e nos produtos para cabelo (0,45%).

Alimentos em Queda

No entanto, dois grupos apresentaram queda de preços, sendo o mais relevante deles o de Alimentação e Bebidas, que teve uma variação negativa de 0,31%, marcando o quinto mês consecutivo de recuo. O subgrupo alimentação no domicílio teve um recuo de 0,52%, o que representa uma desaceleração em relação ao mês anterior, quando a queda foi de 1,25%.

Dentre os itens que mais contribuíram para essa queda, destacam-se o leite longa vida, que teve uma redução de 6,44%, assim como o feijão-carioca (-5,31%), o ovo de galinha (-5,04%), e as carnes (-0,44%). Por outro lado, o arroz (3,41%) e as frutas (0,71%) tiveram alta de preço no mês.

No que diz respeito à alimentação fora de casa, os preços subiram 0,21%, representando uma desaceleração em relação a setembro, quando a alta foi de 0,46%. No mês, a alta nas refeições (0,22%) foi menos intensa do que no mês anterior (0,35%). Já o preço do lanche registrou uma queda de 0,11%, após uma alta de 0,74% em setembro.

A reprodução do conteúdo é permitida mediante a divulgação integral do URL https://economia24h.com.br/como fonte. Não são permitidas abreviações ou variações. O não cumprimento desta diretriz poderá resultar em processos legais conforme previsto pela lei.

Economia 24h
Notícias e Análises Financeiras em Tempo Real

Instagram